domingo, 7 de abril de 2019

Relato do Triatleta Ângelo Bassani Neto

Por Ângelo Bassani Neto - Curitiba
Instituto Gêmeos do Brasil

Não é só minha experiência no Triathlon, é mais do que isso, é uma lição que tirei pra minha vida. Fiz ele com lágrimas nos olhos.

Ontem 06/04/19 e hoje foram dias fora do comum.

Ontem, estava indo de bike para a rodoviária de Curitiba pra pegar ônibus sentido Caiobá pra fazer minha primeira prova de Triathlon então começou a chover. Até então tudo bem, só que a chuva estava forte e criou poças no caminho e em uma dessas poças tinha um buraco, melhor dizendo, uma cratera e foi onde as coisas começaram a dar errado. Caí nela, fui jogado pra frente caindo com a lateral do corpo direto no asfalto. Me levanto e vejo se a bike está bem, se nada quebrou e aparentemente não tinha acontecido nada. Como estava do lado da rodoviária levo ela na mão até lá e embarco. Então que percebo o quão zuado estava, perna inchada, braço e ombro ralados e mancando.

Depois de duas horas chego em Caiobá. Vou montar na bike e o câmbio traseiro não estava funcionando corretamente. Chegando na casa que passaria a noite, descubro que a gancheira (peça muito importante, se tivesse quebrado, adeus prova) tinha entortado e lá vai eu encontrar uma chave. Problema resolvido. Mas aí só tinha 3 horas pra dormir. 

Amanheceu e fiz como planejado, tomei o pré prova e fui pro local do check-in. Tudo ocorrendo mais que perfeito. Vou até a praia e entro no mar, mas que água gostosa de nadar as 06:30h da manhã. Estava todo animado. Depois do aquecimento já não estava nem sentindo dor nenhuma. 

Chegou a hora. Largada. Corremos uns 100 metros pela areia até o mar. Depois de 100 metoros de natação o psicológico queria me destruir, eu sabia que ali não dava pé e mais o gosto ultra salgado da água fizeram eu pensar em desistir e eu ia. Ia mesmo. Olhei pra trás e me vi na areia. Olhei onde estava e os outros atletas me passando. Parei num rapaz na prancha e me apoiei, conversamos por cerca de 1 minuto e pensei: eu não cheguei até aqui, depois de tudo que aconteceu, tudo que passei, às horas de treinos quase todos os dias, as horas que deixei de dormir pra acordar cedo e treinar, o dinheiro investido que não é pouco, pra desistir. Eu ia terminar a natação custasse o tempo que fosse mesmo engolindo muita água e minha mente me maltratando.

Foram 750 metros em 32 minutos, que foram os mais longos da minha vida e sabia que era o último a sair da água dos atletas da minha categoria. Pra minha surpresa quando saí, descobri que era o penúltimo. E com o corpo já exausto fui pra zona de transição. A partir de agora as coisas foram melhores. Os 20 Km de bike fiz em 38 minutos. E novamente transição, agora para 5 km de corrida, que é o meu forte, onde pude recuperar poucas posições. Na corrida, vi um rapaz ensanguentado, rosto e braços escorrendo aquele líquido vermelho e ele firme e forte. Se na naquele estado não desisti, porquê eu teria no começo? Aquilo foi uma inspiração pra mim. Obrigado. Depois soube que ele caiu no ciclismo e fraturou o braço. Desejo melhoras.

Terminei à prova com 1 hora 34 minutos e 03 segundos, tempo bem abaixo do esperado, mas no final o tempo nem importava mais. Estava orgulhoso de mim. Orgulhoso por não ter desistido. Orgulhoso por ter caído e levantado. Orgulhoso por ter pensado em desistir e descobrir que sou forte demais pra isso.

O que tirei dessa prova? Descobri que a vida vai te bater, fazer você sofrer, fazer de tudo pra que você não siga em frente. Mas você pode mostrar pra ela que você não vai desistir, que é mais forte que isso.

Se pensar em desistir, tente de novo e de novo e de novo...

No final você vai estar ali sorrindo feliz por não ter desistido.

9 comentários:

  1. Uauuu que história inspiradora desse Ângelo parabéns para ele, isso vai me ajudar muito a não desistir das próximas competições.
    Abs.

    Alexandre Silva

    ResponderExcluir
  2. Uma experiência e tanto, nunca desista de seu propósito.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado por publicar meu texto. Fico muito feliz que tenham gostado. Poderia me fazer uma favor Jorge, meu nome está errado, é Angelo Bassani. E será que vc pode corrigir meu erro na data? Acabei colocando 06/07 quando seria 06/04.

    Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ângelo boa noite, sim gostei muito e sua história servirá para muitos atletas eu que agradeço pela autorização da divulgação da sua história. Já corrigi o seu nome me desculpa. Parabéns fera!!!
      Abs

      Excluir
    2. vlw irmão. Fiz de coração.
      Mas não querendo ser chato, ajusta a data pra mim, nem tinha visto que tava errada quando fiz.

      Excluir
    3. Só pra não confundir as pessoas.

      Excluir
    4. Ângelo boa tarde, corrigi a data...vlw

      Excluir

Sejam bem vindo(a)s ao meu Blog de Corridas. Participe seus comentários serão muito importantes para mim e para outros participantes interessados no mesmo tema.

Todos os comentários serão bem vindos, mas, reservo-me no direito de excluir eventuais mensagens com linguagens inadequadas ou ofensivas.

PS: Caso queira entrar em contato, me mande um e-mail para jmaratona@jmaratona.com

Obrigado,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista