quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Os Faróis da Cassino Ultra Race 230 Km

A praia de Cassino é considerada a maior praia do mundo em extensão (230 Km), é um convite para uma aventura fascinante para todos que possuem o ímpeto de colocar seus limites psicológicos e físicos à prova em um dos lugares mais inóspitos e isolados do litoral brasileiros. Localizada no extremo sul do nosso país. Essa imensa faixa de areia começa nos Molhes da Barra na cidade de Rio Grande e termina em Barra do Chuí, fronteira com o Uruguai. E ao longo dessa imensa praia existe alguns faróis que são cuidados pela Marinha do Brasil. Esses faróis são pontos de referência para os navegadores. Essa é a sua principal função. Especialmente àqueles que navegam para o porto de Rio Grande, no sul do nosso país. Esses faróis são de suma importância para os navegantes. Os mesmos são reconhecidos internacionalmente como testemunhos da tecnologia arquitetônica, da cultura e das tradições navais, constituindo-se em importantes instrumentos de auxílio à navegação, permitindo com suas características definidas o reconhecimento e o posicionamento dos navegantes durante a singradura. Esses sinais náuticos encerram significado cultural e afetivo para a comunidade, além de proporcionar deleite visual, integrando-se esteticamente às feições litorâneas. Durante o trajeto que percorremos na praia de Cassino avistamos todos eles de perto.
Farol  Chuí 
Farol da Barra do Chuí é um farol situado na desembocadura do Arroio Chuí (do qual recebe o nome) no balneário da Barra do Chuí pertencente ao município gaúcho de Santa Vitória do Palmar no extremo sul do Brasil. Inaugurado em 24 de maio de 1910, o Farol do Chuí separa as águas brasileiras das uruguaias. Seu primeiro faroleiro foi João Pedro Pereira, o Joca Documento, que doou as terras que abrigam a construção até hoje. A estrutura do farol foi substituída por uma nova, obedecendo aos padrões do ano de 1949. Hoje em dia é considerado o farol mais avançado do Brasil. Possui iluminação automática e "Rádio Farol" com alcance de 30 milhas.
Farol Albardão
Farol do Albardão, à 135 km da cidade de Rio Grande, no sul do país, fica um dos locais mais isolados do Brasil. Inaugurado em 3 de maio de 1909 foi o primeiro de uma rede que complementaria a iluminação da costa entre Rio Grande e a divisa com o Uruguai. Esse trecho, conhecido como Praia do Cassino, apresentava a média de um naufrágio por ano. O primeiro farol tinha uma torre de ferro tipo Mitchell, da marca BBT, com 35 metros pintada de roxo-terra, equipada com um aparelho dióptrico de 3ª ordem. A montagem ficou à cargo do mecânico Alfredo Kurt Schultze. Seu alcance era de 18 milhas. 

A torre atual, data de 1948, obra da construtora Christiani-Nielsen, executada sob projeto de Ernst Schaffer. Com 44 metros de altura, o imponente espigão de concreto substituiu o anterior, vitimado como tantos outros pela ação abrasiva da maresia. Uma nova lente BBT, de mesmo tamanho e característica da anterior foi instalada. A partir de 1986 passou a ser operado auxiliado por gerador à diesel. Ele foi criado para guiar os navegantes que chegavam pela costa sul do país, uma medida preventiva para diminuir o grande número de naufrágios que existia na região.

O prédio serve para orientar tanto aqueles que veem pelo oceano Atlântico quanto os que chegam pelas planícies litorâneas que rodeiam a Lagoa da Mangueira, do lado oeste. Uma ajuda mais que bem-vinda em vista do isolamento completo do lugar: a comunidade mais próxima, o Hermenegildo, fica a 70 km de distância do Albardão.
Obs: Viajantes podem se hospedar lá, mas não dá para chegar de surpresa. É preciso entrar em contato com O 5° Distrito Naval solicitando autorização.
Farol Verga
Farol Verga possui apenas 11 metros de altura, é o mais tímido deles, sendo construído em 1964. Possui uma base de alvenaria que até anos atrás ficava aberta, mas atualmente é toda fechada em concreto. É um ótimo local para acampar. O funcionamento do farol é automático e por isso está desabitado não tendo guarnição da Marinha, localizado á 22 milhas ao sul da Praia de ARITA, no Sítio Invernada, município de Santa Vitória do Palmar. 
Farol Sarita
Farol Sarita, Inaugurado em 12 de outubro de 1909 e leva o nome de um navio naufragado naquele local. Sua torre possuía 26 metros de altura e seu alcance era de 15 milhas. Foi substituído em 1929 por outra torre com sistema luminoso automático. Em 1952, foi inaugurada a atual torre de alvenaria, 11 metros mais alta que a original. Atualmente opera com uma lanterna de acrílico. É desabitado.
Farol Molhe Oeste
Farol Molhe Oestetem 3,2km, onde existe as vagonetas os quais levam até a ponta desta estrutura de pedra que garante o calado da saída da Lagoa dos Patos para as embarcações. No verão, aos finais de tarde, é um passeio interessante para a família  é um bom local de pesca.
Farol Molhe Leste
Farol Molhe  Lestetem 10 metros de altura. Enquanto o Molhe Oeste é o mais movimentado, com atividades recreativas, como por exemplo os passeios de vagonetes e a pesca, já no Farol Molhe Leste é mais tranquilo, como pouco movimento e acesso difícil. Muito utilizado pelos leões marinhos.

Eu só conheci essa deserto horizontal graças a organização da Cassino Ultra Race (Maria Vargas e Maria Melo), já corri duas edições dessa prova em 2015 e 2016 e esse ano de 2019 estaremos lá pela 3 ªvez correndo nesse deserto, a prova acontece de 26 a 29 Setembro 2019. Um local perfeito para sair da rotina, uma experiência única e quase inexplicável.🏃‍♂️💨

Fontes: 5° Distrito Naval e Wilkipédia.

2 comentários:

  1. Parabéns Jorge pela informação não sabia dessa praia. Boa prova na Cassino.
    Abs,

    José Veiga

    ResponderExcluir
  2. Show a matéria.
    Parabéns

    ResponderExcluir

Sejam bem vindo(a)s ao meu Blog de Corridas. Participe seus comentários serão muito importantes para mim e para outros participantes interessados no mesmo tema.

Todos os comentários serão bem vindos, mas, reservo-me no direito de excluir eventuais mensagens com linguagens inadequadas ou ofensivas.

PS: Caso queira entrar em contato, me mande um e-mail para jmaratona@jmaratona.com

Obrigado,

Jorge Cerqueira
Ultramaratonista