sexta-feira, 4 de julho de 2008

SUPERAÇÃO...

Amigo(a)s, o assunto de hoje é SUPERAÇÃO, você já correu uma corrida em que teve que parar por causa de uma dor, por causa de uma câimbra ou por causa que te deu uma imensa vontade de ir ao banheiro por causa de uma forte dor de barriga. Pois é gostaria que vocês vissem as fotos abaixo e prestassem muita atenção em cada foto. Todos abaixo já tiveram dias de SUPERAÇÃO.

Na foto abaixo, deu uma imensa forte dor de barriga no corredor e ele não parou fez tudo no short, ou seja se cagou todo... E pelo que eu estou vendo ele nem ligou continuou correndo veja a pessoas olhando para ele.
MOMENTOS DE PAULA RADCLIFFE
- Na maratona de Londres de 2005, perto do final, Paula Radcliffe teve que DEFECAR na rua, perto do meio-fio, diante de uma multidão e da televisão. Ela venceu a prova com o tempo de 2 horas 15 minutos e 42 segundos e depois do incidente desculpou-se e disse que estava perdendo tempo por causa das dores intestinais e simplesmente “tinha de ir”.
O incidente foi votado em novembro de 2006 como “TOP RUNNING MOMENT IN HISTORY UB THE UK” (ou momentos máximos da corrida da história do Reino Unido). Temos que admitir. Esta mulher é guerreira !!!

Quem se lembra da São Silvestre de 1997...
Estava sendo travada uma batalha entre o Brasileiro Emerson Iser Ben e o Queniano Paul Tergat, para ver quem ia vencer e de repente deu uma forte dor de barriga no Emerson, a solução que ele achou foi defecar numa praça e voltou imediatamente para a prova se SUPEROU e de quebra passou o Paul Tergat e venceu a São Silvestre. (Essa imagem não passou na TV o mesmo disse o que aconteceu numa entrevista).

Você se lembra da Suíça Gabriele Andersen-Scheiss.

Em Los Angeles nas Olimpíadas de 1984, fazia um calor dos infernos. Trinta e sete atletas disputavam a Maratona Olímpica feminina, cujo percurso de 42 km estava quase chegando ao fim. O forte calor levava as competidoras ao limiar da exaustão.
Não havia motivo algum para que ela continuasse. Ela estava sofrendo. Esgotada, cansada, sem orientação, completamente exaurida de qualquer lampejo de energia, aquele farrapo humano continuava a desfilar cambaleante pela pista. Incapaz de desistir, incapaz de se render. Incapaz de deixar para trás. Ela continuou. O corpo de Gabriele se contorcia, como se ela estivesse arrancando de seu próprio corpo os últimos resquícios de energia. Numa hora ela já não podia mais correr, e mesmo caminhando, o fazia em pequenos passos. As pessoas à sua volta dispostas a ajudar e ela dizendo que NÃO. Ela queria terminar aquilo. A cena ficou absolutamente dramática. O esgotamento de Gabriele era nítido. Sua musculatura estava seriamente comprometida, especialmente nos membros inferiores. Mais pela SUPERAÇÃO Gabriele se aproximou da linha de chegada capengando, ganhou notoriedade no mundo inteiro.
A multidão presente no Estádio se colocou em pé, e aplaudiu calorosamente a heroína. O fato é que, neste dia, o conceito de vitória se tornou um pouco abstrato e relativo. Afinal, quem foi a grande vencedora? Que medalha ela ganhou?
Por isso, da próxima vez que você pensar em DESISTIR, lembre-se da Suíça Gabriele Andersen-Scheiss. Ela não ganhou medalha. Mas mudou a história dos jogos para sempre. Eu jamais vou esquecer este momento de SUPERAÇÃO.Exemplos de superação sempre marcam mais do que os fenômenos momentâneos do esporte. Por isso o bronze do Vanderlei Cordeiro de Lima foi muito mais aplaudido do que o Ouro na maratona de Atenas, e é lembrado ainda hoje.
Nesta corrida com barreiras o corredor se estabacou...Será que ele continuou...

Vejam a seqüência de tombos abaixo:
AMIGO(A)S , COMO ATLETA, EU PRECISO DIZER:

A SUPERAÇÃO vem de dentro de você e quase ninguém nota. Quem nota são seus pais, seu técnico, pessoas que acompanham o seu desempenho. Quando chega um nome novo em uma competição de nível forte, ninguém sabe se aquele cara se superou.

- Bom na minha primeira Maratona em 2003 no KM 30 me deu câimbras eu parei por alguns minutos, fiz algumas massagens e terminei a maratona correndo.

- Uma vez treinando me deu uma forte dor de barriga tive que parar por alguns minutos e mandei ver, ainda bem que tinha um mato por perto...rsss...

- Nesta última Maratona do Rio de Janeiro 2008, quando chegou no Km 27, na subida da Niemayer senti o meu pé queimando e lembrei que não tinha passado vaselina nos pés, pois bem deu bolhas, mais mesmo assim continuei correndo sentido dores.

E VOCÊ AMIGO(A)S O QUE FARIAM SE SUPERARIA OU DESISTIRIA?

NOTA 1: Se você tem uma história de SUPERAÇÃO ou até mesmo de DESISTÊNCIA na corrida. Me mande para o meu E-mail: jcmaratona@gmail.com o seu relato e a sua foto, para eu poder postar aqui no meu Blog, vamos trocar idéias e experiências para ajudar todos os corredores.

NOTA 2: Para aqueles que não tem Blog, deixem pelo menos um E-mail de contato para eu poder agradecer.

Bom final de semana a todos e boas passadas.

27 comentários:

Maria Sem Frio Nem Casa disse...

Olá Jorge, bom dia!

Vou passando por aqui, mas o Jorge tem sempre tanta "matéria" que acabo não tendo tempo para opinar como deve ser, com conteúdo, por isso me limito a ler.

Sobre o tema de hoje: Superação, tenho a minha opinião muito própria:

É muito "bonito" essa história de superação, mas para mim correr o risco de ultrapassar limites que põem em risco não só a nossa saúde, como a nossa própria vida, não são actos de heróis, mas sim actos de estupidez! Desculpem os leitores a frontalidade mas é isso mesmo que penso!

Agora... admito também que seja difícil, muito difícil para o corredor que vai em esforço definir com exactidaão a linha que divide o correr em esforço para se superar, e o correr, correndo risco da própria vida!

Se já desisti? Já sim! Numa maratona em Outubro passado, km 30 exactamente! considero um acto de inteligência! E se continuasse a tal "superação" que é aplaudida poderia deixar-me lesões graves nem não sabemos até que ponto chegaria. E chegar à morte? é motivo de aplauso? Porque não se desistiu ?

Desistir pode significar apenas inteligência e amor à saúde e à vida.

Quantos atletas de 1º plano não já desistiram numa prova? Sinal de fraqueza? Moleza? Não superação? NÂO!!!! O atleta que desiste não está a tomar uma decisão fácil nem o faz de ânimo leve. Ele tem consciência do perigo que pode ser continuar a prova! e inteligentemente pára!

Só isto o que eu penso.

Um beijinho Jorge, e me desculpa andar a comentar pouco, mas o tempo é sempre tão pouco, mas o teu blog continua "riquíssimo", com muita e boa matéria para nós corredores.

Continuação dessa forma de ser e estar!
Ana Pereira - Portugal

CORREDOR " X " disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CORREDOR " X " disse...

Concordo com a Ana ! Não somos profissionais, e temos que avaliar o risco de continuarmos. Lí um relato de atleta amador sobre a participação na Maratona do Rio agora, e Jorge, eu não achei superação não o que ele fez, eu acho que foi BURRICE, o corpo vai cobrar dele o desgaste desnecessário.
Eu sei os meus limites, fiz a Maratona estou no sapatinho, e semana que vem recomeço devagar !

luciane disse...

Caracas Jorge,... essa matéria foi sensacional....
Na boa, eu não sei não se eu continuaria em algumas situações. A da dor de barriga, por exemplo, acho que me faria parar...e eu com certeza não teria coragem de fazer na frente de todo mundo não.
Agora se eu levasse um tombo, eu continuaria, levantava, sem olhar pra trás e pronto. isso já me aocnteceu treinando...fui subir as escadas do canal e capotei...nem olhei pra trás, saí toda ralada, mas concluí o treino.
Acho bacana a superação do atleta, afinal são meses de treino para deixar tudo acabar por causa de um incidente...
Parabens pelo post...

abraços

Jaqueline Araujo disse...

Oi Jorge!
Sensacional esta matéria sobre superação!
Eu sou do princípio que não devemos desistir antes de tentarmos. Eu tínha receio em fazer uma meia maratona já que comecei à correr no ano passado e minha primeira corrida foi 5Km da Corrida das Academias da Caixa então nem faz tanto tempo assim mas pensei porque não? Acho que devo tentar sim conhecer os meus limites, tentar ir mais além porém respeitando a minha fisiologia.Para minha sorte... fiquei menstruada na véspera e com uma cólica e dor nas pernas que nunca tenho... psicológica... não sei mas não tínha a menor intencão em desistir sem ao menos tentar. Iniciei to9mando um antiflamatório (Voltarem) e devo dizer que no dia seguinte estava me sentindo bem para tentar. Corri num ritmo razoável, ultrapassando poucas vezes o limiar de 85% e fiquei muito satisfeita em ter realizado a prova sabendo que estava sobrando que posso ir mais além. Completei em 2:04:53 não foi um grande tempo mas sei que sou capaz de baixar e realizar a mesma abaixo de 2h coisa que farei no ano que vem. A maratona talvez fique para 2010! Já aconteceu numa corrida de estar com a bexiga cheia e deixar escapar um pouco de xixi ;) mas se fosse algo mais que isso iria correndo sim mais para procurar um banheiro e se a situação fosse razoável eu iria ver depois se voltar ou não para a prova! Eu gosto de me superar mas dentro dos parâmetros da normalidade pois quero correr ainda por muitos e muitos anos e para isso devemos ter critérios e conhecer os limites do nosso corpo. Pensa se algum dia vc sofre uma grave lesão por ter se excedido e recebe um laudo de que nunca mais poderá correr? Não gosto nem de pensar nesse tipo de possibilidade então vou até onde meu corpo permiti!
Ahhh... já que vim aqui para dar a minha opinião... se vc conseguiu ler e chegar até o final... vc sabe me explicar como posso inserir videos do youtube no Blog? É possível? Pois eu tentei colocar um vídeo mas parece que só é possóivel se vc tem o mesmo salvo no PC e eu não sei se é possível salvar vídeos do youtube...creio que não!
Beijos

Harry disse...

Oi Jorge,

Como a Ana e o Corredor X colocaram superação para amadores é bem diferente de um profissional.

Devemos desafiar o limite mas dentro do bom senso.

Agora, essa primeira foto (cagado) é sensacional, porém jamais pagaria um mico destes.

Boas corridas!
Harry

Paulo Massa disse...

Jorge, tô fora!!!

Hehehe, pede pra sair amigo!

Claro, para ele estava valendo dinheiro mas essa foto não paga uma corrida...

Acho que cada um tem o seu limite, o importante é que cada um conheça o seu porque no final, como dizia o Senna, é tudo uma questão do seu limite.

Grande abraço e grandes superações para você (sem cagadas literalmente).

Paulo Massa
http://www.e-corredor.com.br

Hideaki disse...

Olá, Jorge! Parabéns pelo alto nível dos frequentadores deste blog. Em outros lugares, acho que encontraria simplesmente "eu já tive meu momento de superação e blá, blá, blá..." sem uma argumentação consistente (não estou censurando a opinião em si). Isso só prova o alto nível deste próprio blog.

Quanto ao assunto, eu acho de uma arrogância absurda, pelo menos para corredores que terminam 10 Km em mais de 40 minutos, meia em mais de 1h40min, maratona em mais de 3h30m, etc (os tempos inventei agora), enfim, a maioria dos amadores, usarem a palavra superação. Não interessa se esforçou durante a prova. Não é superação, é falta de treino, e uma falta de respeito total àqueles que treinam seriamente. Afinal, para se falar em superação, supõe-se que você tenha atingido um certo nível perto do limite, que não se pode aprimorar tão mais, na base do treino. No caso de quem se dedica muito e com resultados, como você, não posso dizer, pois é um nível que ainda não atingi, se é que é algum dia vou me focar assim para atingir.

Infelizmente, a palavra "superação" está muito banalizada ultimamente, em particular, entre os corredores.

Quando eu digo em superação, digo quando optei pela não cirurgia na época que tinha uma hérnia de disco atípica, que me deixou quase dois anos praticamente de cama, e me recuperei na base de acupuntura, alinhamento corporal e muita paciência. Nessa época, nem pensava em corridas. Recuperei primeiro a saúde, para depois procurar novas emoções, e daí a corrida foi uma das várias descobertas minhas.

Por exemplo, nesta última maratona do Rio, conforme coloquei no meu blog, não tive sucesso em "esvaziar o intestino" de manhã, e fiquei com dor de barriga aos 15 km de prova. Já tinha simulado esta situação em treinos e consegui administrar até o final, aumentando meu tempo em cerca de 10 minutos, mas sem andar em nenhum momento da prova. Isso não é superação.

Deu certo, mas por outro lado, estava totalmente preparado para desistir, se fosse necessário. Acho prudente não dizer publicamente a minha estratégia pré-prova, pensando na possibilidade de abandono da prova, mas quem ficou sabendo, concorda que eu estava seguro, tanto para continuar, como para parar.

Abraço!!

Valter Ide disse...

Jorge,

Parabéns pela sua matéria, muito completa. Mas como muitos disseram precisamos separar um pouco os casos de atletas profissionais e de nós (pelo menos eu...rs) amadores.

Para os amadores, ou mortais, como nós devemos mensurar a superação como terminar uma prova de 10k em menos de 1h ou mesmo terminar a primeira maratona. Acho que podemos pensar em "superação" mas de outra maneira, pensar em superar outras metas.
Fiz um treino com o pessoal da FindYourself uma vez e uma frase comparando os atletas de elite e os amadores foi dita pelo técnico deles: os atletas de elite tem o dom de suportar mais a dor do que os amadores pois nos demais pontos eles são normais como todos outros.
Isto significa que a Paula poderia ter terminado sem utilizar o meio-fio?! Não sei mas talvez um corredor amador teria parado bem antes....
Se eles suportam mais a dor do que nós amadores, imagina quanta dor a suiça sentiu na maratona de LA.

É esta a minha opinião... Sua matéria é muito boa como fonte de informação e quem sabe alguns atletas amadores leiam e pensem melhor ao tentar imitar algum destes exemplos pois se os profissionais que são treinados apenas para correr passam por isto quem dirá o que pode acontecer com um amador?...
É como o Carlão (Carlos Ventura que deu um treino técnico da Corpore e foi treinador do Branca) diz: tem muito aluno treinando com Personal Trainer achando que vai ser o campeão de amanhã.


Abraço!!!



Valter

G.M. disse...

Jorge,
Relevante tema que você abordou, parabéns !
Pouco usual, por isso proveitoso.
Obrigado,
Ass.: Guilherme.

Felipe Cine. disse...

Superação com certeza não é um tema fácil de se discutir. Ainda mais quando posto em comparação a definição de superação amador x profissional. Respeito as opiniões dos outros corredores. Sou amador, e creio que a superação é um tema bastante pessoal, pois só a própria pessoa vai ter em mente o quanto treinou e se esforçou com o passar do tempo; o tempo que passou treinando; todas as dores que sentiu; e até mesmo quando se lesionou por bobeira. Avaliado tudo isto, um bom desempenho numa corrida ou até mesmo em um trieno se torna um exemplo de superação. Afinal, não é só o rei da floresta que pode superar, ultrapassar barreiras e fazer acontecer. Também não só no mundo dos esportes, mas ouvimos diariamente exemplos de superação de moradores de rua, gente quase sem condições de vida, que conseguem racionalizar a ponto de continuar buscando um futuro melhor. Isto sim é superação.
Felipe Cine.

Carlos Lopes disse...

Olá Jorge

Deixa-me falar uma coisa. Isso vai de cada um, a força que tem, para parar ou não. Se aplica tanto em amadores como em profissionais. Aos 17 anos, fui como Voluntario para uma tropa especial, aqui em Portugal ( pára-quedistas), ao inicio do curso éramos 600, e só ganharam a boina 98 ( eu incluído). E vi uma coisa sobre este post. A nossa força interior, ira dizermos se devemos continuar ou não em situações complicadas, e vi muitos que perdiam isso, e acabavam por desistir. Eu a 2 anos, fui fazer uma prova de 20 kms e estava com uma lesão. Pensei que correndo devagar ia correr bem a prova, pensei mal, logo no 3º kms, comecei a sentir fortes dores, ao ponto de sentir a perna presa. Não desisti, fiz 17 kms em sofrimento, não cheguei em Ultimo por 2 pessoas, mas o importante para mim era acabar. Por isso, vai de cada um, ou seguir ou parar.

G.M. disse...

Grande JORGE !
Obrigado pela visita a este blog e por seu comentário.
Novamente lhe parabenizo pelo post no seu blog sobre superação. Muito bem escrito e um tema interessantíssimo !
Permita-me discordar de você: duas coisas que o RJ tem em melhor qualidade que SP: provas de insuperável beleza ao longo do percurso e mais mulheres bonitas por metro quadrado ! (risos !)
Do que adianta a quantidade daqui se a qualidade é exceção? (risos !)
Em Outubro gostaria que fosse possível lhe encontrar aí no RJ, no caso de você estar presente na Meia-Maratona da Yescom, uma prova que eu me inscrevi.
Obrigado !
Ass.: Guilherme.

Mayumi disse...

Oi, Jorge:
Obrigada pela visita aos meus ursos! Rs. Quanto a este tema (superação), bastante polêmico, não sei o que se pode chamar de superação em uma corrida. Como muitos já colocaram, talvez esta palavra tenha significados diferentes para um amador como a maioria de nós, e para um profissional. Mas, sem dúvida, qualquer que seja o significado para cada um de nós, independente de ser um profissional ou um amador, haverá um ponto em comum no que se refere ao limite a ser repeitado: o bom senso e o "sentir quando é hora para se descer do bonde"! Boa semana de treinos!

Jaqueline Araujo disse...

Oi Jorge!!!
Suas visitas são sempre muito agradáveis!
Quanto à colocar videos no Blog, meu filho sabia e acabou me ensinando... precisa-se baixar um programinha e agora vc pode ver que já tenho uns videos funcionando! Adorei!!
Vou postar mais este mês para compensar o tempo que fiquei ausente. Hoje acabei não indo treinar... resolvi tirar o dia para arrumar meu armário etc e separar algumas roupas para doar. Semana passada treinei direto inclusive este fim de semana. Dia 13 vou correr lá no Aterro com um grupo de correrdores (amigos virtuais) vamos formar um octeto para a Corrida dos Fuzileiros. 50 Km??? Boa Sorte amigo! Isso sim é que é superação! Parabéns pela sua força de vontade!
Beijos

Nikecorre disse...

Grande matéria, Jorge. O esporte sempre surpreende com histórias de superação tais como essas que tu postou no teu blog.

Um abraço.

M. Balbino disse...

fala jorge! nessa maratona do rio eu me superei. nunca tinha corrido mais de 3 horas seguidas, tive que parar no elevado joa para urinar e ainda tive muitas caimbras e mesmo assim continuei correndo ateh o fim.

abss

luis mota disse...

Olá Jorge!
Novos desafios e superar as minhas capacidades é algo que eu tento fazer com frequência.
Em relação ao que escreve, tenho o cuidado de jogar à defesa para evitar problemas com os intestinos na prova. Mas há sempre os imprevistos. Se a vontade apertar, prefiro parar e depis tentar recuperar o tempo perdido.
Quanto às imagens dos atletas em dificuldades com o calor, para mim foi devido a interesses televisivos. Efectuar uma prova daquelas na hora de máximo calor, em meu entender, tem a ver com interesses comerciais. Aos atletas restou aguentar. Muito se trabalhou para estar nuns Jogos Olímpicos e depois desistir!
O horário é que deveria ter tido em conta as características da prova. Contudo,
Sim à superação.
Grande abraço,
Luís Mota

Fábio Namiuti disse...

Grande Jorge !

Compartilho da mesmo opinião de alguns dos amigos que postaram aqui. É preciso mesmo tomar um certo cuidado com essa tal de "superação". Uma coisa é ter dificuldades durante uma corrida e buscar forças de dentro para passar por cima delas. Outra coisa bem diferente é colocar a saúde ou até a vida em risco.

Na minha estréia nos 42 Km no último dia 29/06, como boa parte dos amigos já acompanhou no meu relato, tive cãibras no final da subida da Niemeyer e, a partir daí, a corrida que já não vinha sendo fácil, ficou meio torturante para mim. O que fiz então ? Adequei o ritmo às condições e fui até o final, com paces totalmente fora da minha realidade, num trotinho leve, somente com o intuito de terminar.

Se eu sentisse, no entanto, em qualquer momento, que estava com isso colocando em risco a minha integridade física, cá pra nós, tinha encostado e parado. Maratonas existem muitas, eu sou um só. E quero correr muitas ainda, chegando de preferência sempre inteiro no final. Me superando talvez, se for preciso; mas me preservando também.

Parabéns pelo tópico, uma excelente e saudável discussão se seguiu a ele.

Um grande abraço !

Fábio

Fernando Andrade. disse...

Obrigado pela sua passagem pelo cidadão de corrida, amigo Jorge,pois é sempre um prazer "vê-lo por lá".
De facto, nada como a Corrida das Fogueiras para "queimarmos" ATP enquanto corremos o percurso,eheh.

Quanto a este tema da "superação" é fantástico. As opiniões e os relatos de cada um não deixam de de constituir grandes ensinamentos para todos.
Procurando ser sintético apenas direi que a superação não deve ir além do respeito por si próprio.

Grande abraço.
Fernando Andrade

Cristiano disse...

Belíssimo tema e bastante discutível!

Têm-se comentários bem diversos sobre o tema:

- Não treinar nada e completar uma maratona em 7h é uma superação?

- Ou somente quem treina muito, dedica-se e reduz o seu tempo, é quem se superou?

- Quem tem uma dificuldade durante a prova, inclusive por falta de treino, consegue lutar contra esta e alcançar o seu objetivo, se superou?

Realmente, o Tema é bem diverso.

Acredito que todos que lutam por um objetivo, independente da "magnitude", e precisam se esforçar para cumpri-lo, estão se superando.

Fabio Namiuti, poderia informar o seu blog para ler o seu relato?

Para contatos, ccamoreira@hotmail.com.

Um abraço,
Cristiano

amocorrer disse...

Gde. Jorge...creio eu que ja disseram td acima...eu como o amigo ja sabe ja me superei em corridas, lembra-se do meu post na ultima S.silvestre?contusão no km 7sofri e completei, creio que uma das varias, porem não arriscaria tal se fosse me prejudicar no campo profissional..abcs..Regis

Fábio Namiuti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fábio Namiuti disse...

Cristiano,

O link é http://paginas.terra.com.br/esporte/fabionamiuti/marario2008.htm

Agradeço desde já pela visita e por conferir o meu relato de estréia em uma maratona.

-------------- x --------------

Jorge,

Quando puder, amigo, ajuste por favor o link que você colocou para o meu Arquivo de Corridas na postagem sobre a Maratona do Rio. Não tem o "www" no endereço, ok ?
Obrigado !

Abraços,

Fábio Namiuti

José Capela disse...

Olá, Jorge...

Embora não tendo feito comentários, sempre que posso acompanho o teu blog.

Quanto à "matéria" da superação, o que posso dizer pela minha experiência pessoal é que na verdade eu treino para ir superando as minhas marcas. Obviamente, sei que um dia isto vai ter um limite!

Quem acompanha o meu blog, sabe que tenho com lema: "Pior que não cumprir os objectivos, é não ter objectivos"!

Claro que os objectivos que traço para mim são realistas e alcançáveis. Gosto de treinar, dá-me imenso prazer e esta dedicação à corrida vai rendendo uma melhoria nas marcas e uma enorme auto-satisfação!

Por exemplo, quando a corri a minha primeira maratona em Outubro de 2004,disse para mim próprio que até aos 50 anos haveria de correr 10 maratonas baixo das 3 horas. Até ao momento corri 7 maratonas, apenas 4 abaixo das 3 horas, pelo que até Março de 2012, não poderei exceder as 2h59m59s em pelo menos 6!

Esta é a minha 'superação!

Abraço,

Boas corridas, bons treinos

José Capela

Vânia Almeida disse...

Oi Jorge, como vão as coisas.
Ando trabalhando bastante, mas sempre por perto do cuidando do corpo.
Passa lá, tem coisa nova.
bjos
vânia

Hideaki disse...

Permita-me um esclarecimento. Quando eu critico o uso banalizado da palavra "superação", não estou, de forma alguma, desmerecendo o esforço em si dos amigos que aqui postaram, ou dos atletas amadores do Brasil e do mundo afora. Peço desculpas se deixei margem para este entendimento depreciativo. Eu sei como é dificil correr (principalmente treinar para) uma maratona e todos que chegam até o final, seja qual for o conteúdo da corrida (desde que não haja trapaças, como cortar caminho), têm minha admiração. E tenho a mesma admiração por aqueles que tiveram sabedoria quanto ao momento de desistir também. Abraço a todos.